Arquivos da categoria: Leituras

O inventário das coisas ausentes, de Carola Saavedra

Publicado originalmente no Leia Mulheres. “Alguém que amei uma vez me deu uma caixa cheia de escuridão. Levei anos para entender que isto, também, era um presente.” – Mary Oliver Desde a primeira vez que li o título “O inventário

O inventário das coisas ausentes, de Carola Saavedra

Publicado originalmente no Leia Mulheres. “Alguém que amei uma vez me deu uma caixa cheia de escuridão. Levei anos para entender que isto, também, era um presente.” – Mary Oliver Desde a primeira vez que li o título “O inventário

Manoel de Barros

“A ciência pode classificar e nomear todos os órgãos de um sabiá mas não pode medir seus encantos. A ciência não pode calcular quantos cavalos de força existem nos encantos de um sabiá. Quem acumula muita informação perde o condão

Manoel de Barros

“A ciência pode classificar e nomear todos os órgãos de um sabiá mas não pode medir seus encantos. A ciência não pode calcular quantos cavalos de força existem nos encantos de um sabiá. Quem acumula muita informação perde o condão

A Nova Desordem Digital (2007), David Weinberger

“Como vimos, a primeira característica do conhecimento tradicional é que, assim como existe apenas uma realidade, existe um conheicmento, o mesmo para todos. Quando duas pessoas têm idéias contraditórias sobre algo factual, achamos que apenas uma pode ter razão. Isso

A Nova Desordem Digital (2007), David Weinberger

“Como vimos, a primeira característica do conhecimento tradicional é que, assim como existe apenas uma realidade, existe um conheicmento, o mesmo para todos. Quando duas pessoas têm idéias contraditórias sobre algo factual, achamos que apenas uma pode ter razão. Isso

Deus da Indecisão

Estava traduzindo um texto quando de repente me deparo com a frase: This Janus-like stance might seem difficult enough in a stable world, but the reality of library naming practices is made much worse by time, by technology, by the

Deus da Indecisão

Estava traduzindo um texto quando de repente me deparo com a frase: This Janus-like stance might seem difficult enough in a stable world, but the reality of library naming practices is made much worse by time, by technology, by the

Herdando uma biblioteca

Hoje depois do almoço passei na BS-CED pra ficar de bobeira. Tinha uma hora pra perder lá. Fui direto pra seção de literatura ver se achava algum livro legal e peguei por acaso um que tinha o título “Herdando uma

Herdando uma biblioteca

Hoje depois do almoço passei na BS-CED pra ficar de bobeira. Tinha uma hora pra perder lá. Fui direto pra seção de literatura ver se achava algum livro legal e peguei por acaso um que tinha o título “Herdando uma

Desordenar para reorganizar

“A arte pode transformar o mundo ou não, como muitas outras coisas, como as idéias e a política. Mas não acho que ela tenha uma proeminência nesse aspecto. Ela pode transformar o mundo simplesmente por fazer parte dele. Ela está

Desordenar para reorganizar

“A arte pode transformar o mundo ou não, como muitas outras coisas, como as idéias e a política. Mas não acho que ela tenha uma proeminência nesse aspecto. Ela pode transformar o mundo simplesmente por fazer parte dele. Ela está

O tempo certo de ler certos livros…

(Publicado em 17 de julho de 2011) Lembro que há muito tempo atrás (provavelmente 2003 ou 2004)  eu tive um professor que me recomendava livros pra ler. Naquela época eu já lia algumas coisas, mas nada parecido – nem de

O tempo certo de ler certos livros…

(Publicado em 17 de julho de 2011) Lembro que há muito tempo atrás (provavelmente 2003 ou 2004)  eu tive um professor que me recomendava livros pra ler. Naquela época eu já lia algumas coisas, mas nada parecido – nem de

Elogio à leitura e à literatura

Algumas vezes me perguntei se, em países como o meu, com poucos leitores e tantos pobres, analfabetos e injustiças, e onde a cultura é privilégio de tão poucos, escrever não seria um luxo solipsista. Mas estas dúvidas nunca sufocaram minha

Elogio à leitura e à literatura

Algumas vezes me perguntei se, em países como o meu, com poucos leitores e tantos pobres, analfabetos e injustiças, e onde a cultura é privilégio de tão poucos, escrever não seria um luxo solipsista. Mas estas dúvidas nunca sufocaram minha

Qual a diferença entre Ciência da Comunicação e Ciência da Informação?

“A ciência da informação se constituiu como disciplina no espaço do meio entre a biblioteconomia e as comunicações. A área de comunicações nunca se propôs a trabalhar a comunicação científica no interior da produção científica; ela sempre visou a comunicação

Qual a diferença entre Ciência da Comunicação e Ciência da Informação?

“A ciência da informação se constituiu como disciplina no espaço do meio entre a biblioteconomia e as comunicações. A área de comunicações nunca se propôs a trabalhar a comunicação científica no interior da produção científica; ela sempre visou a comunicação

As palavras e as coisas*

por Aldo Barreto Nossa comunicação não passa de um jogo de palavras. Palavras podem ser inventadas arbitrariamente e seu sentido fruto de convenção depende do uso que fazemos delas. O objeto de estudo da ciência da informação tem sido um

As palavras e as coisas*

por Aldo Barreto Nossa comunicação não passa de um jogo de palavras. Palavras podem ser inventadas arbitrariamente e seu sentido fruto de convenção depende do uso que fazemos delas. O objeto de estudo da ciência da informação tem sido um

Sugestão para uma organização de biblioteca

sugestão para uma organização de biblioteca: livros que começam com o artigo definido, “o” e “a” e que, por isso, são difíceis de classificar em ordem alfabética; livros cujos personagens parecem inteligentes e auto-irônicos, mas que no fundo são só

Sugestão para uma organização de biblioteca

sugestão para uma organização de biblioteca: livros que começam com o artigo definido, “o” e “a” e que, por isso, são difíceis de classificar em ordem alfabética; livros cujos personagens parecem inteligentes e auto-irônicos, mas que no fundo são só

O mito da serendipidade

“Ao andar pelas prateleiras da biblioteca (um microcosmo do universo bibliográfico) e dar uma olhada, um usuário pode repentinamente deparar-se com o livro que precisa e dar o crédito de sua sorte à serendipidade. Mas tal achado seria serendipitoso apenas

O mito da serendipidade

“Ao andar pelas prateleiras da biblioteca (um microcosmo do universo bibliográfico) e dar uma olhada, um usuário pode repentinamente deparar-se com o livro que precisa e dar o crédito de sua sorte à serendipidade. Mas tal achado seria serendipitoso apenas

O que Recuperação Colaborativa da Informação tem a ver com Teoria dos Jogos?

Estes dias estava procurando literatura complementar pra um artigo que estou terminando de escrever e tive a sorte de encontrar este artigo do Karamuftuoglu. Além do nome do autor assustar, o título do artigo também não é exatamente muito convidativo:

O que Recuperação Colaborativa da Informação tem a ver com Teoria dos Jogos?

Estes dias estava procurando literatura complementar pra um artigo que estou terminando de escrever e tive a sorte de encontrar este artigo do Karamuftuoglu. Além do nome do autor assustar, o título do artigo também não é exatamente muito convidativo:

Um livro por dia, de Jeremy Mercer

É difícil acreditar que uma história como a que foi contada por Jeremy Mercer realmente tenha acontecido. Seria muito mais fácil pra nós leitores acreditarmos que é uma obra de “ficção”, mas é incrívelmente mais fascinante acreditar que é uma

Um livro por dia, de Jeremy Mercer

É difícil acreditar que uma história como a que foi contada por Jeremy Mercer realmente tenha acontecido. Seria muito mais fácil pra nós leitores acreditarmos que é uma obra de “ficção”, mas é incrívelmente mais fascinante acreditar que é uma

Missão do Bibliotecário, por José Ortega y Gasset

José Ortega y Gasset (Madrid, 9 de maio de 1883 — Madrid, 18 de outubro de 1955) foi um intelectual, filósofo espanhol. Também atuou como ativista político e como jornalista. Voltado principalmente para aspirantes da área de biblioteconomia, o texto

Missão do Bibliotecário, por José Ortega y Gasset

José Ortega y Gasset (Madrid, 9 de maio de 1883 — Madrid, 18 de outubro de 1955) foi um intelectual, filósofo espanhol. Também atuou como ativista político e como jornalista. Voltado principalmente para aspirantes da área de biblioteconomia, o texto